Bem Vindos !

Bem Vindos tôdos(as) os que Amam a Lusitânia , tôdos(as) os que Amam Portugal e o Sêu significado profundo no que respeita ao Futuro da nossa querida Mãe Terra e da Sua Criação , incluindo a Humanidade .
Estejam á Vontade nesta humilde casa , aonde podem Descansar junto á Lareira do Coração , enquanto ouvem uma Música e lêem as Palavras reconfortantes de um Livro ... mas não esperem adormecimento , nem alienação , nem inconsciência , nem nada que nos afaste da Realidade ...
Esperem , talvez , o inesperado , e Tudo o que nos possa (re)conduzir de volta á Fonte ... encontrarão aqui Coisas de muitas proveniências .
Tôdas elas , sejam , Palavras , sejam Música , sejam Imagens , falarão de Dêus , o nosso querido Pai e Mãe , Filho e Espírito Santo ... opto por nomear segundo a Tradição Ocidental , que é a minha , em Especial , nêste Rectângulo ancestral que é Portugal , nêste Balcão que Mira o Atlântico profundo , aonde , Algures , no seu Fundo , a Atlântida aguarda Regressar ao Consciente da Humanidade ... não meçam o que aqui vêem/ouvem/sentem , por conceitos limitadôres , porque a Lusitânia da nossa Alma , não tem medida , a nossa querida Mãe do Céu e da Terra , não SE Limita .
Não nos limitêmos nós (cada um de nós) também ... Tudo é permitido , tôdas as palavras , opiniões , sentimentos , maneiras de vêr , serão permitidas , excepto aquelas que nos conduzam de volta á inconsciência .
Palavras de maledicência , de hipocrisia , de cinismo , de maldade , de intolerância , de fanatismo , de mentira , serão erradicadas deste local de Paz .
Tôdas as formas de expressão , religiosas/espirituais/filosóficas serão bem-vindas dêsde que venham do coração , movidas pêla Honestidade e pela Humildade do verdadeiro aprendiz .
Da Lusitânia , de Portugal , falarei/ falarêmos se assim o quiserem , da sua História , da sua Espiritualidade , dos seus Poetas/Profetas ,das Profecias , da sua imensa e íntima relação com o estabelecimento nesta Terra , das Novas Terras e dos Novos Céus prometidas pêlo Criadôr .

Pesquisar neste blogue

A carregar...

08/01/2016

"Eleições" numa "Cracia" do Demo ...



Infelizmente , já há mais de 30 anos que deixei de acreditar seja no que fôr que venha dêste REGIME ...




Não é meu costume falar de política Suja aqui na Luz da Citânia , mas a situação Lamentável , Insultuosa , Indigna em que Portugal SE encontra , e porque haverá daqui a algum tempo  "eleições presidenciais" , faz-me querêr  emitir a minha opinião sôbre o assunto .




Há que acentuar que o Regime diz sempre "da república" e nunca  De Portugal , o que óbviamente demonstra que têmos Um elemento Estranho ao Côrpo da  Nação que "manda"(enquanto Dêus Quiser...) na Nação ,  e que tem feito tudo o que podem fazêr  para  Destruir  Deliberada , Planeada e Paulatinamente o Tecido Espiritual e Material de Portugal .








"Eleições" têmo-las há muitos anos , dêsde que o Regime Traidôr da Pátria (dêsde o 25 de Abril...) ,  Ilegalmente , se apropriou do podêr . 





E , em cada "eleição" acontecida , Portugal mais se tem afundado . 
Foi por isso que deixei de votar  e de acreditar no que quer que seja que venha do regime .



Nestas "eleições á presidência da república"  , e não á Presidência de Portugal , vejo 2 candidatos que creio sêrem Honestos , Íntegros e que são os únicos que parecem querêr Mudar o regime e Restaurar Portugal ....ainda a vêr , se são Reais , ou apênas mais uma manobra Escura do Regime "camaleão" .



Os outros , são mais do mêsmo , com uma conversa treteira e Demagógica , criaturas infelizmente  nascidas em Portugal , mas que Traem Portugal tôdos os dias , canalha do Regime , que pretende mais do mêsmo , para Pior , sempre para  Pior e que servem uma agenda Maçónica Globalista Sionista que representa/pretende  a Destruição das Pátrias e das Nações .









Dito isto , sabe-se por aqui , que não irei "botar na Urna" ...

 
  Aguardarei Calma e Conscientemente  a evolução dos destinos de Portugal , pois Creio Profundamente na Restauração de Portugal . Só não creio na Demagogia das "eleições"  .





 Queria , como corolário do que disse , apresentar aqui excêrtos de um texto , que muito considero , de um autôr Espiritualista Português , o Jornalista Victor Mendanha no seu « O Livro da Serpente » que aconselho vivamente .























 














16/12/2015

Dom Afonso de Albuquerque - O Grande, o César do Oriente, o Leão dos Mares, o Terribil e o Marte Português


I(*)

 

 Hoje Relembramos com Saudade  o momento , há 500 Anos  em que Dom Afonso de Albuquerque partiu para a Pátria Celeste , mas quero , Aqui e Hoje , Celebrar a sua Vida de Grande Homem , dum Grande Português , Génio Militar e Guerreiro  , um dos meus Heróis mais amados de Portugal , Herói quase Inigualável não só no contexto de Portugal ,mas também Mundial, pois lembro-me Doutros Grandes de Portugal á sua Altura .



« As incursões no Oriente por parte dos Portuguêses fôram algo nunca igualado na História Mundial .
Com poucos  homens de guerra , os Portuguêses venceram um conjunto de potências armadas, conquistando poderosos reinos como os de Ormuz, Gôa e Malaca.
Dentre os Heróis Portuguêses destaca-se Afonso de Albuquerque, um dos maiores génios militares e administrativos Mundiais de sempre , cujas façanhas se tornaram lendárias em todo o mundo de então.
As suas Acções foram determinantes para o estabelecimento do Império Português no Oceano Índico.
Dom Afonso de Albuquerque é reconhecido Mundialmente como um Génio Militar pelo sucesso da sua estratégia de expansão: procurou fechar todas as passagens navais para o Índico – no Atlântico, Mar Vermelho, Golfo Pérsico e Oceano Pacífico – construiu uma cadeia de fortalezas em pontos chave para transformar este oceano num  mare clausum(do latim , Mar Fechado a Dois) Português, sobrepondo-se ao poder dos otomanos, árabes e os seus aliados hindus.


Destacou-se tanto pela ferocidade em batalha como pelos muitos contactos diplomáticos que estabeleceu. Nomeado governador após uma longa carreira militar no Norte de África, em apenas seis anos – os últimos da sua vida – com uma força nunca superior a quatro mil homens conseguiu estabelecer a capital do Estado Português da Índia em Gôa , conquistar Malaca  , o ponto mais oriental do comércio no Índico ,  chegar às ambicionadas Ilhas das Especiarias , as Ilhas Molucas ,  dominar Ormuz , a entrada do Golfo Pérsico  e estabelecer contactos diplomáticos com numerosos reinos da Índia, Etiópia , Reino do Sião , Pérsia e até a China. Áden foi o único ponto estratégico cujo domínio falhou, embora tenha liderado a primeira frota europeia a navegar no Mar Vermelho, a montante do estreito Bab-el-Mandeb .

 A Batalha de Ormuz
Pintura de Mestre Carlos Alberto Santos

Pouco antes da sua morte foi agraciado com o título de Vice-Rei das Índias e Duque de Gôa por El-Rei D. Manuel I , do qual  nunca usufruiu .
Foi o primeiro Português a receber um título de Além-Mar e o primeiro Duque nascido fora da Família Real. Foi o segundo Europeu a fundar uma cidade na Ásia.
O primeiro tinha sido Alexandre ( também cognominado de)  , o Grande.


Afonso de Albuquerque, era um homem de média estatura, com rosto comprido e corado, e de nariz um pouco grande. Usava sempre a barba muito comprida , o que lhe conferia , e a quem se lhe dirigia ,  uma sensação de grande veneração.


Era um homem dotado de um inquebrantável espírito de justiça, sempre bondoso, piedoso para com os pobres e muito paciente para suportar os sofrimentos que constantemente o assaltavam, devido à inveja e incompreensão dos homens.
Sofreu principalmente devido ao desprezo por parte de D. Manuel, rei de Portugal, que não se mostrou à altura do grande homem que governava.
Sendo alguém honesto, dedicado ao Rei e ao seu país, Albuquerque viveu na Índia consumido pelos  planos grandiosos que levara para aí.

Dentre os heróis portugueses no Oriente destaca-se Afonso de Albuquerque, um dos maiores génios militares e administrativos (Autor: Imagem em domínio público)


Nos seis anos de governo, sempre confrontado com a falta de homens, de navios e de dinheiro, bem como pela estreiteza de vistas e pelas suspeitas do rei, Afonso de Albuquerque tornou-se alguém conhecido desde a Arábia até a China tendo-se apossado das chaves do Oceano Índico.
Embaixadores da Pérsia, o Sião e a Abissínia vinham até si pedindo a sua amizade, ao mesmo tempo em que uma dúzia de reizetes indianos, inquietos, se informavam dos seus desejos, por meio de embaixadas respeitosas.

(De autôr que desconhêço.Não consegui encontrar .)

Em suma , Um Grande Português  em Tudo !

A Vida de Dom Afonso de Albuquerque

  (Alhandra,  1453 — Gôa, 16 de Dezembro de 1515)

Afonso de Albuquerque foi o terceiro filho de Gonçalo de Albuquerque e de D.ª Leonor de Meneses.
Nada se sabe também de sua infância, mas pensa-se que durante esse período recebeu instrução escolar de topo, aprendendo o latim e estudando os clássicos.
A primeira referência a Afonso de Albuquerque ocorre em 1476, na batalha de Toro, contra os castelhanos, ao lado de D. João II e depois  Arzila, no Norte de África.

Pela experiência que demonstrará mais tarde, tanto na arte da navegação como na militar, deduz-se que ele passou parte da mocidade em África.



Afonso de Albuquerque entrou verdadeiramente para a História em 1506, quando comandava uma frota incorporada à de seu primo Tristão da Cunha. Já antes ele tinha estado na Índia com outro primo, Francisco de Albuquerque, na armada de 1503, mas nada de notável acerca dele chegou ao nosso conhecimento.
Mas desta vez a sua missão era a de vigiar a boca do Mar Vermelho, para impedir que dali saísse algum inimigo que importunasse as conquistas portuguesas na Índia.
Após separar-se de Tristão da Cunha, começou a formidável carreira de Afonso de Albuquerque, que contava nessa época apenas com seis barcos e 460 homens, dos quais alguns estavam doentes, e escassos mantimentos para 15 dias. No entanto, com ousadia e determinação conquistou várias cidades das costas da África e Ásia, inclusive a opulenta Ormuz, na entrada do Mar Vermelho, por onde passava todo o comércio do Oriente.


Outra conquista notável foi a conquista de Goa. Após tomar sem grande esforço a fortaleza de Pangim, Albuquerque entrou em Goa praticamente sem dar um tiro.
Mas as coisas não seriam assim tão simples. Dois meses depois, Afonso de Albuquerque precisou de abandonar Goa, após uma heróica luta contra os exércitos de Hidalcão, soberano destronado, que voltou para resgatar sua cidade com 60 mil turcos, mouros e indianos, 5 mil a cavalo.


No entanto, Albuquerque reapareceu no  Novembro seguinte com 20 velas, no dia 25, Festa de Santa Catarina, a quem atribuiu depois a victória.
Entrou novamente na cidade, apesar de esta se encontrar fortemente defendida, e após uma luta renhida, Gôa voltou ao domínio dos portugueses, tornando-se, durante cinco séculos, numa das maiores glórias lusas no ultramar.

 Vista de Gôa Velha em 1509, in Braun e Hogenberg

Depois disso, Afonso de Albuquerque, juntamente com 1400 soldados portugueses, lutou contra um exército de 30 mil homens, conquistando Malaca ao fim de 15 dias de luta.

Dom Afonso de Albuquerque um Grande Herói de Portugal


Apesar de se ter tornado governador da Índia, havia na sua administração homens que estavam directamente ligados ao rei, e que por isso não tinham que prestar contas ao governador.
Por isso, havia constantes rixas com Dom  Afonso de Albuquerque, que desejava que as coisas fossem feitas de forma coordenada.





Mas esses desentendimentos valeram-lhe uma série de cartas enviadas pelos outros administradores ao rei, criticando o grande general.
Infelizmente, D. Manuel I acabou dando ouvidos a esses descontentes, enviando então como substituto de Afonso de Albuquerque o seu pior inimigo.
Esse golpe fez com que Afonso de Albuquerque perdesse a vontade de viver, acabando por morrer vencido pelo desânimo.
 Após a sua morte, Afonso de Albuquerque foi chorado pelos vários povos que  tinha regido , sendo para sempre recordado como um grande  Génio  Militar, mas mais importante, como um Grande Português e um Grande Homem .



(*) - Continua

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...