Bem Vindos !

Bem Vindos tôdos(as) os que Amam a Lusitânia , tôdos(as) os que Amam Portugal e o Sêu significado profundo no que respeita ao Futuro da nossa querida Mãe Terra e da Sua Criação , incluindo a Humanidade .
Estejam á Vontade nesta humilde casa , aonde podem Descansar junto á Lareira do Coração , enquanto ouvem uma Música e lêem as Palavras reconfortantes de um Livro ... mas não esperem adormecimento , nem alienação , nem inconsciência , nem nada que nos afaste da Realidade ...
Esperem , talvez , o inesperado , e Tudo o que nos possa (re)conduzir de volta á Fonte ... encontrarão aqui Coisas de muitas proveniências .
Tôdas elas , sejam , Palavras , sejam Música , sejam Imagens , falarão de Dêus , o nosso querido Pai e Mãe , Filho e Espírito Santo ... opto por nomear segundo a Tradição Ocidental , que é a minha , em Especial , nêste Rectângulo ancestral que é Portugal , nêste Balcão que Mira o Atlântico profundo , aonde , Algures , no seu Fundo , a Atlântida aguarda Regressar ao Consciente da Humanidade ... não meçam o que aqui vêem/ouvem/sentem , por conceitos limitadôres , porque a Lusitânia da nossa Alma , não tem medida , a nossa querida Mãe do Céu e da Terra , não SE Limita .
Não nos limitêmos nós (cada um de nós) também ... Tudo é permitido , tôdas as palavras , opiniões , sentimentos , maneiras de vêr , serão permitidas , excepto aquelas que nos conduzam de volta á inconsciência .
Palavras de maledicência , de hipocrisia , de cinismo , de maldade , de intolerância , de fanatismo , de mentira , serão erradicadas deste local de Paz .
Tôdas as formas de expressão , religiosas/espirituais/filosóficas serão bem-vindas dêsde que venham do coração , movidas pêla Honestidade e pela Humildade do verdadeiro aprendiz .
Da Lusitânia , de Portugal , falarei/ falarêmos se assim o quiserem , da sua História , da sua Espiritualidade , dos seus Poetas/Profetas ,das Profecias , da sua imensa e íntima relação com o estabelecimento nesta Terra , das Novas Terras e dos Novos Céus prometidas pêlo Criadôr .

Pesquisar neste blogue

A carregar...

24/08/2016

O LEAL CONSELHEIRO e A ARTE de BEM CAVALGAR TÔDA a SELA

D’El-Rei Dom Duarte

O Eloquente


A qualidade do presente vídeo é inegável .No entanto, discordo de algumas passagens .
A interpretação dada não é a minha .Discordo por exemplo da linha temporal inicial.
Para mim não houve "filipes de espanha" .Houve um Vazio de Portugal!

Não houve "dom pêdro iv"(o Maçónico Traidôr!).

Houve Dom Miguel I o Patriota e Rei Absoluto , ferozmente 

Anti-Maçónico!



http://monarquia-lisboa.blogs.sapo.pt/rei-dom-miguel-71554
 «...
El-Rei D. Miguel representou por certo a legitimidade e a tradição portuguesa, e a resistência a uma modernização importada, que afrontava os valores radicadas no mais fundo da alma do povo, com que se identificou. Não era tanto a ideia de liberdade que motivava o antagonismo dos miguelistas às hostes de D. Pedro, mas antes a ideia revolucionária da ruptura com as instituições do antigo regime, e em particular da Igreja. Isso mesmo explica a atitude da Santa Sé para com o governo de D. Miguel, bem como o comportamento da grande maioria dos bispos portugueses da época. “Eis o Rei mais católico que tenho em toda a cristandade” – assim o apresentou Gregório XVI em Roma, em Agosto de 18343. Mais do que o “absolutismo”, com que António Sardinha se recusava a identificar o miguelismo 4, o que os seguidores de D. Miguel
defendiam eram as instituições tradicionais portuguesas, entre as quais as cortes e os municípios. ...»



El-Rei Dom Miguel(entre vários Outros Grandes Portuguêses) , era, por isso mêsmo,  Um Cavaleiro na Linha traçada por El-Rey Dom Duarte no seu Leal Conselheiro.



Cavaleiro de Portugal da Ordem de São Miguel da Ala,
Ordem Fundada por Dom Afonso Henriques e mais tarde
 Refundada por Dom Miguel no exílio compulsivo.

 
« E ssomariamente de homem a que convém teer boas bestas, e as saber bem cavalgar, se sseguem estas sete vantagens:




- A primeira, seer mais prestes pera servir seu senhor, e acudir a muytas cousas que lhe acontecer
     poderóm de sua honra e proveito. 

 

- A segunda, andar folgado.


- A terceira, honrado.


- A quarta, guardado.


- A quinta, ser temydo.


- A sexta, ledo.




D. Duarte define assim, as sete regras pelas quais se deve pautar a vida dum Cavaleiro, ou se quisermos, nos tempos actuais, assumir tais ideais para a nossa vida :








1. O Bem servir.


Servir alguém poderoso e bom é Honrôso. Ajudá-lo e salvá-lo quando em apuros, reverte , mais tarde ou mais cêdo, a favôr do  cavaleiro.

Não te atemorizes em face dos teus inimigos.
Sê Valente e caminha de cabêça erguida, 
para que Dêus possa Ajudar-te. 
Fala sempre a verdade, mêsmo que te leve á morte.  
Protege os desvalidos e nunca practiques o mal.  
Êste é o meu Juramento. 
 
2. Não ter mêdo.

 Quem sabe montar, dominar o cavalo e manejar as armas,nada deve temêr.







3. Sêr honrado.  

A Honra adquirida pelos bons costumes, pela boa moral e pela fidelidade. 





 
 

4. Sêr prevenido e vigilante.  

Se o Cavaleiro estiver sempre alerta, em forma e com as suas habilidades bem treinadas, não será apanhado de surprêsa. 



5. Sêr temido. 

Um bom cavaleiro tem que sêr respeitado pela sua coragem, honra, fidelidade e destreza. 



 

El-Rey D João IV



 « Pero de Alcáçova Carneiro que depois foi conde da Idanha, teve grande entendimento e prudência e em razão disto o mandou el-rei D. Sebastião por embaxador (1) a Castela a el-rei Dom Filipe II, seu tio, sobre matérias de muita importância. Foi esta embaxada de Pero de Alcáçova muito luzido , porque o acompanharam nela D. Álvaro de Melo, neto do marquês de Ferreira Dom Rodrigo, e o bisconde Dom Francisco de Lima, ambos seus genros, com muitos criados, e todos faziam grande acompanhamento. Foi de el-rei de Castela mui bem recebido e recebeu dele sempre muita honra e mercê enquanto lá esteve.
 Folgava el-rei muito de falar com ele porque era Pero de Alcáçova homem de corte, como quem se havia criado nela de minino - na de el-rei D. João III de Portugal - e quando falava com el-rei lhe falava sempre em português; sendo assim que nas vistas que os senhores castelhanos lhe faziam e em qualquer parte que se achava com eles falava em castelhano. Porque o falava muito bem soube el-rei disto e, falando um dia com ele lhe disse:
 - Embajador, como me hablais siempre portugués y a los otros siempre en castellano?
 E Pero de Alcáçova lhe respondeu:
 - Porque com V. M. falo de siso, e com os demais de zombaria. »

(Ilustração: Carlos Alberto in História de Portugal, 13ª ed., Agência Portuguesa de Revistas, [s.l.], 1968.)

 

6. Sêr alegre e confiante.
Na posse de tôdas as suas qualidades de alma , côrpo e mente, o Cavaleiro raramente acolherá estados de alma negativos. 

 

7. Ter um grande e bom coração. 

Sêr magnânimo, mostrar grandêza e generosidade , eleva um Cavaleiro.



El Rey Dom Duarte I - da Escola Portuguesa de Pintura do séc.XVIII


Bons conselhos, indubitávelmente .


Conselhos êsses, intemporais e benéficamente aplicáveis aos dias que correm.


Esta ensinança de um dos Grandes Reis de Portugal , ao caso, o Rei-Filósofo D. Duarte, define verdadeiramente aquilo que é o Português, Homem ou Mulher, firmado na Fé , na Crença e na
 Alegria de quem se sente “maior do que o Mundo” e que com esta Atitude irá dar “novos Mundos ao Mundo”.




O Português sempre foi assim , mas na Era das Grandes Descobertas de Portugal, êle era visto pelos 

outros europeus como irritantemente Alegre, Altivo e Altaneiro.
  


 «  Um relato dos acontecimentos, para quem quiser conhecer o mais fantástico feito de toda a gesta portuguesa das Índias.

António da Silveira e os 600 portugueses merecem honrosamente um lugar na nossa memória! Que o seu exemplo nos guie!

Estávamos em 1531.

Ainda que o Governador Nuno da Cunha sabia da iminência de um ataque dos Turcos, partiu para Goa levando toda a melhor gente consigo, deixando em Diu António da Silveira e apenas seiscentos homens, dos quais quatrocentos eram mal armados e os duzentos restantes não estavam em circunstâncias de poder pelejar.

Pelo sim pelo não, era melhor começar a preparar as defesas para qualquer eventualidade...

António da Silveira aperfeiçoou então o melhor que pôde as fortificações. Mandou encher de água a grande cisterna mandada construir por Nuno da Cunha e que levava mil pipas de líquido. 

Reuniu provisões, ordenou que se desarmassem os mouros que ali estavam, publicou ordens e ameaças severas contra os habitantes que fugissem temendo o perigo, e chegou mesmo enforcar alguns que se atreveram a escapar e foram apanhados.
Nomeou também alguns oficiais, e distribuiu pelos postos os seus soldados, que eram em número bastante insuficiente.

Coje Sofar, um famoso Mouro que desejava ardentemente tomar a fortaleza de Diu, e por saber quão mal provida estava de gente e de água, foi falar com vários Reis, Sultões e capitães locais, dando-lhes conta da deficiente disposição das defesas portuguesas, implorando que lhe fornecessem soldados e armas, argumentando que aquela era uma oportunidade única de a tomarem sem esforço, e que outra ocasião como aquela nunca mais iria suceder!

Convencidos todos os visados da facilidade da empresa, Coje Sofar conseguiu de facto reunir um exército poderosíssimo, contando-se cerca de 70 galés turcas, e um exército de mais de 22.000 homens!

O que poderiam 600 portugueses fazer contra este potentado militar, nunca visto por aquelas paragens?

Isso mesmo perguntou o Capitão Suleimão Paxá, o eunuco (capado), que enviou uma carta ao Capitão António da Silveira, em que prometia livre saída de pessoas e bens desde que os portugueses fossem para a costa de Malabar e entregassem a fortaleza e as armas. Prometia esfolar todos vivos se não o fizessem e glorificava-se de ter reunido o maior exército em Cambaia, tendo muita gente que tomara Belgrado, Hungria e a ilha de Rodes. Perguntava mesmo a António da Silveira como se iria defender num "curral com tão pouco gado"!

A resposta de António da Silveira não se fez esperar, e estando todos presentes, assim lhe escreveu:
«Muito honrado capitão Paxá, bem vi as palavras da tua carta. Se em Rodes tivessem estado os cavaleiros que estão aqui neste curral podes crer que não a terias tomado. Fica a saber que aqui estão portugueses acostumados a matar muitos mouros e têm por capitão António da Silveira, que tem um par de tomates mais fortes que as balas dos teus canhões e que todos os portugueses aqui têm tomates e não temem quem os não tenha!»   ... » 



É para Aí que O Português e A Portuguêsa actuais Caminham.


Portugal Será Restaurado !



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...